Arquivo para março \20\UTC 2014

Sobre homens e mulheres um ensaio de experiências: e quando a família dele não tem nada haver comigo e ele adora estar com eles, o que eu faço?

 

Nos filmes  a Cinderela era amada no Castelo do Príncipe por todos os vassalos e não existia a empregada malvada ou o jardineiro ciumento! Mas na vida real, nada é bem assim! O mais comum é estarmos diante de famílias que nada tem haver conosco e, mais do que isso, nos sentirmos muitas vezes um peixe fora d’água,ou amplamente agredido em nossos valores pessoais. Sempre tem a sogra difícil, o sogro indiferente, a cunhada má, ou o cunhado desvirtuoso, assim a vida segue, no bailado das interações e muitas relações sucumbem a falta de jogo de cintura de podermos entrar e sair ilesos das interferências energéticas e emocionais que tal desafio nos causa em nome do amor!

Entrar na expectativa: de que eles despertem e vejam que seu mundo é mais interessante que o deles e debandem para teu lado, ou que apesar das diferenças em um surto de amor eles se declarem e te aceitem exatamente como tu és, não traz boa sorte! Pois isto, não vai acontecer.

A importância de você entender as diferenças e aceitá-las é que fará toda a diferença. Pois eles já existiam antes de você chegar e se alguém deve se adaptar, esta é você! ou este é você!

Coloque-se na posição de um Diretor de Cena, veja tudo de fora e apenas observe, dê sua opinião apenas quando interpelado e não se emocione, acreditando ser a chance de acertar os pontos. Simplesmente seja cometido. Coloque-se com moderação e aprenda a desfrutar de sua mais alta sabedoria, se amando por saber levar com “jeito” esta relação.

Enquanto estiver em silêncio, lembre-se de que és magnânima, por estar aceitando este processo com sabedoria! Isto aliviará a sua irritação!

Trocar a programação e evitar estar junto com a “grande família”, e uma solução aparente, mas traz consequências desastrosas com o tempo, onde a outra parte ferida, um dia cobrará de você.

Lembre-se de que você e o seu consorte estarão criando a sua família e que com amorosidade você mostrará o novo caminho,da mescla de hábitos e valores, e ai você estará a salvo!

 

Ceura Nolasco

Psic.Espec.Desenv.Humano

 

 

Anúncios

Sobre Homens e Mulheres: um ensaio de experiências. Quando o amor te submete…

Quem já não amou tanto que fazia qualquer coisa para estar ao lado de quem amava? Quem já não amou a ponto de submeter-se a migalhas de atenção, e ainda assim sentir se uma rainha?…Quem já não amou a ponto de simplesmente saber que o outro pensou em você, e já lhe fez sentir satisfeito?

A “entrega” é um fenômeno, muitas vezes involutivo, colocamos nossas vidas nas mãos de outra pessoa e acreditamos que morreremos caso ela nos abandone. Este medo, pânico inconsciente, nos submete a uma lista de ações conscientes de submissão. Aceitamos, nos enganamos e fingimos estarmos muito bem, quando na verdade, estamos tentando sobreviver no meio de um vendaval. Vendaval de emoções, onde o frio do vento gelado umedece nossa pele a cada descaso, ou negativa. A cada troca de você pelo programa da hora, ou pelo estar consigo mesmo.

O amor muitas vezes prega peças, e quando nos damos conta já estamos tão distantes de nós mesmos que precisamos dar a volta ao mundo para nos reencontrarmos.

A sustentação de nossa individualidade e a negociação da parceria se tornam absolutamente saudáveis quando estamos amando. O famoso amor chiclete, aquele que você precisa respirar pelo pulmão do outro, traduzindo: ver todo dia, toda hora, todo instante, caso contrário o rombo no peito o sufoca até matá-lo. E o sinal contundente de que você é uma presa fácil ao amor submisso.

Trabalhe suas carências afetivas,ligue-se em você.Aprenda a autonutrir- se ,se de atenção ,carinho, e auto-reconhecimento. Viva, para você. Nenhuma pessoa que não se sente inteira conseguirá não submeter-se ao amor. Pois nutrição é uma forma de sobrevivência.

 

 

Ceura Nolasco

Psic.Especialista em Desenv.Humano

 

  

 

Sobre Homens e Mulheres : um ensaio de experiências. Quando a ilusão e a fantasia se encontram! Flertam, namoram e marcam até casamento!

Se você pensa que irá ler sobre 50 tons de cinza, está enganada/o, pois a vida como ela é, nos faz ver a cada instante o grande casamento da Ilusão com a Fantasia. Os sites de relacionamento e o Facebook protagonizam as produções mais fantásticas ouvidas até hoje, por mim como terapeuta, onde as carências se encontram com as necessidades do Ego de serem importantes e fechamos o grande encontro, o casamento da Ilusão com a Fantasia, e durante meses muitas mulheres se entregam ao mais puro devaneio, buscando em palavras soltas na internet, através de MSN ou postagens no face, a resposta do “amado” ao seu anseio de amor! Estamos em um mundo virtual que pode mudar a história da humanidade pela rapidez e clareza de fatos, mas também podemos mudar a história afetiva dos seres humanos que, cada vez, mais solitários, em suas atividades profissionais e sociais se escondem atrás das redes sociais para viver a não realidade do amor. Porque fazem isto?… medo de sofrer, na verdade viver a intensidade do encontro e estar firme e forte diante dos jogos afetivos e das frustrações, requer muita força de vontade, em um tempo,em que separar é a lei nas interações. Não vincular dá a garantia de liberdade e não sofrimento. Então, eu me vinculo a uma ilusão estimulada por uma fantasia. A Ilusão tem o sonho esquentado e garantido, por um tempo determinado e a fantasia tem seu ego inchado e massageado, por sentir se assim tão desejado. O mundo masculino regido pela testosterona, deslumbrados na facilidade de acesso ao mundo feminino, usam com maestria a Fantasia ,para terem seus egos inflados, por uma atenção “apaixonada” da ilusão feminina. E o mundo feminino, regidos pela progesterona, viajam na ilusão dos sonhos mais profundos, na busca da outra parte! Assim o “casamento da Ilusão com a Fantasia, nutre milhões de casais na rede, nos chats ,nos MSN, nutrem-se ficticiosamente, durante meses deste casamento. O pior muitos referem ser apenas uma amizade, quando na verdade sexualizam, trocam confidencias e criam até planos!!! Na verdade estamos vivendo um tempo de desvinculação plena dos processos afetivos vitais.As parelhas optam pela forma virtual de ser porque não há vínculos profundos e facilmente podemos dizer o que deve ser dito sem a ocupação de levar um tapa na cara! Ou desaparecer por um tempo, sem receber a famosa cobrança, tão temida nos relacionamentos. Afinal de contas não há compromisso! Os sites são excelentes formas de encontro desde que bem utilizadas e bem identificados os jogadores. Há um grande numero de jogadores especializados na rede em criar ilusão e depois se safar alegando que é apenas uma forma pessoal e afetiva de tratamento.A doença emocional dos desvinculados aparece aqui,são as frustações afetivas de relações anteriores ,as inadequações infantis,vidas em família que impedem a vinculação real ,e toda a gama de variáveis que aparecem dentro de uma conversa que se prolonga por meses sem efetivação da 3D. Esteja atenta/o , assim como você pode se beneficiar da rede encontrar sua cara metade, você pode encontrar um espaço tão profundo de frustração quanto na vida real. Pois, na vida real ,você ainda tem a sorte de ser confrontado com a realidade das atitudes e no mundo virtual ,você só tem palavras e ,sabemos que palavras são apenas palavras ,são as atitudes que mudam a vida de um homem. Sou literalmente simpatizante a utilização sadia dos sites de relacionamento e das redes sociais, facebook ,entre outros, como forma moderna de encontro casual e afetivo, porém, ALERTO, para a importância de sabermos identificar os jogadores afetivos e casamenteiros da Ilusão com a Fantasia. Se você estiver atento, saberá a hora certa em que o encontro deve passar da virtualidade para a realidade.Todo aquele ou aquela que se manter na virtualidade,podes crer este não quer NADA com você!

 

Ceura Nolasco

Psic.Espec.Desenv.Humano

Sobre homens e mulheres: um ensaio de experiências! …Quando a gente casa antes de namorar…